Embarcação desapareceu em Camocim, litoral oeste do Ceará — Foto: Mateus Ferreira/SVM

Sete pescadores estão desaparecidos há 24 dias após sumirem em lancha no mar de Camocim, litoral oeste do Ceará. De acordo com os familiares, o grupo já estava acostumado a pescar em alto mar e o último contato feito com eles foi há cerca de um mês. Os parentes pedem por mais agilidade nas buscas realizadas pela Marinha.

“Eles estão à deriva e nós também estamos à deriva de coração e pensamento, sem saber de nada. Eu sei que a Marinha está trabalhando, mas tem que se empenhar muito mais. São sete vidas, sete pais de famílias dentro da embarcação, a gente não dorme, as famílias estão todas abaladas”, disse emocionada Ernanda Rocha, companheira do pescador Duval da Silva, que está entre os desaparecidos.

G1 questionou a Capitania dos Portos do Ceará sobre os detalhes das buscas e do desaparecimento. No entanto, o órgão informou somente que “as informações solicitadas serão apresentadas com a brevidade possível”.

Familiares cobram mais agilidade nas buscas pelos pescadores no Ceará — Foto: Mateus Ferreira/SVM

Familiares cobram mais agilidade nas buscas pelos pescadores no Ceará — Foto: Mateus Ferreira/SVM

O último contato feito com a tripulação foi no dia 20 de abril. Bruna Vasconcelos, esposa do pescador Alexandro Ribeiro, explicou que estava conversando com o marido, mas a comunicação via rádio parou de funcionar.

“Fomos para outro canal e a comunicação caiu. Aí eu pensei, amanhã eu venho e falo, mas já no outro dia não tinha mais nada” acrescentou.

Nordeste Notícia
Fonte: Tribuna do Ceará

Comente com Facebook