Camilo mostra assinatura da sanção do programa Mais Emprego Ceará (Foto: Reprodução Facebook)
Camilo mostra assinatura da sanção do programa Mais Emprego Ceará (Foto: Reprodução Facebook)

O governador do Estado, Camilo Santana (PT), anuncia sanção do Mais Emprego Ceará nesta terça-feira, 20 de julho, que visa gerar mais emprego, pagando metade do salário mínimo a novos contratados com carteira assinada na pandemia de segmentos do comércio e serviços durante seis meses. A divulgação é realizada no bate-papo semanal pelo Facebook e Instagram.

A sanção já será publicada hoje, terça-feira, 20 de julho, no Diário Oficial do Estado e a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho já iniciará o cadastramento das empresas, que podem ser de qualquer região do Estado.

Veja o anúncio no vídeo abaixo:

O Mais Emprego busca possibilitar a geração imediata de 20 mil empregos no Ceará e foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado. O texto do projeto de lei do Governo do Estado foi submetido para apreciação da casa ainda na quarta-feira, 14, e entrou na pauta de análise dos deputados no dia seguinte. Ação beneficiará segmento do comércio e serviços, com limite de 100 contratações por cada empresa.

A preferência para ingresso no programa é para empreendimentos com atuação relacionada à alimentação fora do lar e eventos. Os requisitos e regras de adesão ao programa foram delimitados em ação conjunta de diversas secretarias do Estado.

Medida será operacionalizada pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), que poderá operar em conjunto com a Secretaria da Fazenda do Ceará (Sefaz) para monitoramento e fiscalização das empresas participantes.

A Sedet deverá disponibilizar um sistema online para solicitação do benefício por parte das empresas. O pedido para ingresso no programa poderá ser feito em até 60 dias após o começo das solicitações, ou até atingir a meta de 20 mil novas contratações.

O projeto de lei do programa prevê ainda que a verba para repasse do benefício concedido as empresas será inscrita em dívida ativa do Estado. Além de definir que qualquer outro gasto referente à contratação dos trabalhadores por meio do programa será de responsabilidade da empresa contratante, incluindo assim encargos tributários e mesmo indenizações de rescisão de contrato.

Na live, ele também citou a assinatura dos primeiros contratos do Ceará Credi, programa de microcrédito orientado do Estado já com mais de 30 mil cadastros realizados.

Ainda frisou reunião que teve com o presidente da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), Marcelo Botelho, que tem quase 300 fornecedores que prestam serviço à siderúrgica. Também comemorou aprovação no Congresso Nacional da nova lei que permite que tudo que for produzido para a Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE-CE) pode ser vendido para o mercado interno. “Isso facilita a atração de novos empreendimentos.

Em relação ao turismo, o governador informou que está retomando diálogos para volta dos voos nos aeroportos regionais.

Camilo acrescenta que o edital do concurso da Polícia Militar do Ceará deve ser publicado até o fim desta semana ou início da próxima semana, com 2,5 mil vagas.

Como irá funcionar o Mais Emprego Ceará?

Medida busca incentivar a geração de empregos e impulsionar a retomada econômica no Estado. Após ser aprovado, programa garantirá o pagamento de metade do salário mínimo vigente, estipulado em R$ 1.101, para cada nova contratação feita pelas empresas cearenses. Os estabelecimentos poderão contratar até 100 novos funcionários, com a garantia de reforço financeiro estadual por seis meses.

Após seis meses de pagamento de 50% do salário mínimo para cada contratação, a empresa beneficiada deverá manter o empregado por no mínimo mais três meses.

Regras

Caberá à Sedet a divulgação semanal do detalhamento dos acordos firmados entre Estado e empresas, com base no número de pessoas contratadas.

As empresas deverão informar à Sedet, a quantidade de contratações realizadas, bem como as respectivas datas de cada novo contrato celebrado. A primeira parcela do benefício será paga no prazo de 30 dias após a aprovação do pedido do benefício feito pela empresa.

As despesas adicionais recorrentes ao programa serão registradas em dotações consignadas no orçamento do Poder Executivo, mediante aplicação de decreto. A validade do programa somente será considerada legal, enquanto perdurar o estado de calamidade pública no Ceará.

Datas

Ainda não há um cronograma definido para o programa, estando as datas ainda por serem definidas em regulamentação.

A solicitação do benefício será feita por meio de plataforma online a ser disponibilizada pela Sedet, por meio da qual, as empresas interessadas deverão solicitar ingresso no programa, afirmando o número de profissionais contratados e as respectivas datas de contrato, para que possa ser incluída no teto de 20 mil contratações previstas pelo programa. Com limitação de 100 novas contratações por cada empresa.

Comentários
   
Clique para entrar em contato.
 
Ajude-nos a crescer ainda mais curtindo nossa página!
   
Clique na imagem para enviar sua notícia!