O Município de Ipueiras, assim como boa parte dos Municípios do Estado do Ceará têm passado por crise no fornecimento de medicamentos de responsabilidade do Estado e da União.

No caso dos medicamentos pactuados com o Governo do Estado do Ceará através da Programação Pactuada Integrada (PPI) a situação é ainda mais crítica. Segundo dados da secretaria municipal de saúde, dos medicamentos atendidos pela assistência farmacêutica básica que incluem, dentre vários outros, amoxilina, azitromicina e AAS, só 45% do total de 94 pactuados para o primeiro trimestre de 2019 foram entregues para Ipueiras. No caso do Ácido Acetilsalicílico conhecido por AAS, das 20 mil unidades solicitadas, nenhuma foi enviada, caso que se repete com vários outros medicamentos de uso básico como azitromicina, benzilpenicilina, cefalexina e vários tipos de colírios.

Nos medicamentos que compõem a assistência farmacêutica secundária que incluem remédios como insulina, dorzolamida e alprazolam, destinados à pacientes com diabetes, hipertensão, doenças mentais e problemas cardiovasculares, somente 56,30% dos 38 tipos de medicamentos esperados para o primeiro quadrimestre de 2019 foram entregues. O mesmo problema está sendo enfrentado nos medicamentos de alto custo de responsabilidade da União, onde os pacientes não estão recebendo os insumos.

Segundo a Secretaria de saúde, todos os repasses da contrapartida do Município de Ipueiras foram pagos ao Estado, totalizando cerca de R$ 56 mil reais nos primeiros quatro meses do ano. A secretaria de saúde está cobrando do órgão responsável no Estado as explicações sobre o não fornecimento da medicação pedida.  Mesmo não sendo responsabilidade do Município, a prefeitura de Ipueiras estuda abrir um processo licitatório para aquisição de medicamentos.

Nordeste Notícia

Comente com Facebook