© Fotos Públicas No início de fevereiro, Putin já havia declarado que a Rússia estava se retirando do tratado como forma de retaliação ao governo norte-americano

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou 1 decreto, nesta 2ª feira (4.mar.2019), que retira a Rússia do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, firmado na época da Guerra Fria com os Estados Unidos.

A atitude vem como retaliação ao país de Donald Trump. O republicano anunciou, em fevereiro, que retiraria os EUA do tratado por conta de violações de Moscou. De acordo com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, a Rússia teria até agosto para provar de forma “real e verificável” que cumpre o tratado.

Putin negou que estivesse violando o acordo. Mas Washington não retornou da forma esperada –voltando atrás da posição que retiraria os EUA do acordo– e Putin saiu do tratado.

Dada a necessidade de tomar medidas urgentes seguindo a violação das obrigações dos Estados Unidos sob o tratado, assinado pela União Soviética e pelos Estados Unidos em 8 de dezembro de 1987. O compromisso da Rússia com o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário está, de agora em diante, suspenso até que os Estados Unidos se manifestem sobre a violação das obrigações sob o tratado ou até o tratado ser revogadoafirmou o Kremlin.

HISTÓRICO

O tratado foi firmado em 1988. Abrange mísseis de curto e médio alcance. Nos últimos 30 anos, os Estados Unidos acusaram veementemente a Rússia, afirmando que o Kremlin estaria violando frequentemente o tratado.

O presidente russo afirmou, ainda, futuros planos com armas nucleares para serem usados também localmente. “O país terá de desenvolver e instalar armas que podem ser usadas não apenas contra áreas das quais uma ameaça direta virá, mas também contra territórios onde estão localizados centros de decisão”.

Nordeste Notícia
Fonte: Poder360

Comente com Facebook