Petistas criticaram, nesta quarta-feira, a decisão que condenou o ex-presidente Lula no caso do sítio de Atibaia (interior paulista). Já adversários do PT comemoraram a sentença da juíza Gabriela Hardt, que substitui o ex-juiz Sérgio Moro na Vara Federal do Paraná.

Lula foi condenado desta vez a 12 anos e 11 meses de reclusão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio. “É um processo totalmente viciado, contaminado por uma conduta ideológica”, afirmou o líder do partido na Câmara, Paulo Pimenta (RS). “É uma sentença ilegal, que contraria toda a jurisprudência”.

A presidente do partido, Gleisi Hoffmann (PR), também questionou o processo. “Nós ficamos nos perguntando por que tanta maldade com o Lula”, disse.

Lula está preso em Curitiba desde abril do ano passado em decorrência de condenação (12 anos e um mês) em outra ação penal da Lava Jato, sobre o tríplex em Guarujá (SP) reformado pela OAS. Nesse outro caso, Lula ainda está recorrendo em terceira instância. Além da nova condenação, advogados de Lula trabalham na defesa dele em outras sete ações no DF e em SP.

Três reformas no sítio

A Lava-Jato afirma que o sítio passou por três reformas: uma sob comando do pecuarista José Carlos Bumlai, no valor de R$ 150 mil, outra a cargo da Odebrecht, de R$ 700 mil, e uma terceira reforma que se limitou à cozinha, bancada pela OAS, de R$ 170 mil – em um total de R$ 1,02 milhão.

Em sua sentença, de 360 páginas, a juíza disse ainda que o valor de R$ 1 milhão se tratou de propina e que a “reforma e decoração de instalações e benfeitorias” foram feitas em benefício de Lula e da família do ex-presidente.

Nordeste Notícia
Fonte: Diário do Nordeste

Comente com Facebook