CANCELAMENTO de voos na primeira semana de janeiro também repercute na cadeia do turismo no Estado (Foto: Aurelio Alves)
Foto: Aurelio Alves CANCELAMENTO de voos na primeira semana de janeiro também repercute na cadeia do turismo no Estado

O número de voos cancelados no Aeroporto de Fortaleza nos primeiros nove dias de 2022 chegou a 94. De acordo com a Fraport Brasil – Fortaleza, administradora do Pinto Martins, esse é um quantitativo bem superior aos cinco cancelamentos em igual período do mês anterior. Somente no último dia 7, foram 14 voos cancelados.

No sábado, 8, foram outros 10 voos, e, no domingo, 9, mais oito.

A Fraport não precisa o motivo dos cancelamentos, acrescenta que a informação é exclusiva de cada companhia aérea, mas o momento coincide com o anúncio de uma onda de cancelamentos de voos no Brasil inteiro por conta dos vários afastamentos de tripulantes doentes, seja infectados por gripe ou por covid.

No País, ontem, mais de 520 voos foram cancelados ou reprogramados pela Latam e pela Azul devido ao aumento de casos de covid-19 e influenza na tripulação e na população em geral. Segundo a Latam, a medida afeta cerca de 1% dos voos domésticos da companhia aérea e não tem Fortaleza na lista das cidades com voos cancelados.

Já a Azul informa que quase 10% das operações foram afetadas. A empresa diz ainda que tem notificado os clientes impactados, reacomodando em outros voos da própria companhia e oferecendo assistência, conforme resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

“A Azul informa que, por razões operacionais, alguns de seus voos do mês de janeiro estão sendo reprogramados. A companhia registrou um aumento no número de dispensas médicas entre seus tripulantes – casos esses que, em sua totalidade, apresentaram um quadro com sintomas leves – e tem acompanhado o crescimento do número de casos de gripe e covid-19 no Brasil e no mundo”, disse a Azul por meio de nota.

Já a Gol enviou nota ao O POVO dizendo que houve um aumento dos casos positivos entre colaboradores nos últimos dias, mas que nenhum voo foi cancelado ou sofreu alteração significativa por este motivo. “Os funcionários que apresentam resultado positivo estão sendo afastados das funções para se recuperarem em casa com segurança”, informou.

Em relação aos clientes, a Gol informa que os casos positivos reportados antes do embarque estão sendo tratados com três opções oferecidas aos passageiros: cancelamento com o reembolso do valor total; cancelamento, mas com o valor total deixado como crédito para futuras compras; ou remarcação sem custos adicionais.

A Anac informou que monitora a situação para garantir o direito dos passageiros. O órgão ressaltou que também acompanha as medidas operacionais das empresas para minimizar os impactos causados pelos atrasos e cancelamentos de voos, garantindo o cumprimento da prestação de assistência aos passageiros.

Impacto no turismo

O efeito desses cancelamentos vem em cadeia. A hotelaria já sente isso, tanto no ponto de vista de cancelamentos de reservas de clientes que acabaram doentes, como também do crescimento de afastamentos de funcionários, segundo explica o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Ceará (ABIH-CE), Régis Medeiros.

“O nosso setor está sendo afetado tanto por conta de cancelamentos por parte dos turistas que viriam e estão ficando doentes, como também pelos colaboradores que também adoecem e, consequentemente, você fica com falta de mão de obra. Muito positivaram e tiveram que ser afastados”, destaca Régis.

O presidente da ABIH-CE ainda teme que os cancelamentos de voos possam ser ampliados, pois podem gerar mudanças nas programações e reservas dos hóspedes. “Impacta o mercado e a convivência turística que a gente teria para o mês de janeiro, não tem como não impactar”.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), Assis Cavalcante, hoje a situação da crise sanitária é diferente da encontrada em 2020, em que não sabíamos qual era a consequência do vírus, como ele agia no organismo, qual seu grau de gravidade e não tinha vacina, etc. “Observamos nesse começo de ano um pico de gripe junto com a alta dos casos de covid-19, porém com índice de mortalidade muito baixo, em razão da vacina e do conhecimento maior pelos médicos acerca da doença.”

Ele cita que o setor está aprimorando cada vez mais a questão do uso das EPI’S, máscaras, álcool em gel, higienização dos balcões. “Com isso, o consumidor se sente cada vez mais seguro. Os colaboradores quando tem o pai, mãe, familiares que convivem e estão doentes de Covid, pedimos que fique em casa, já quando o mesmo fica doente apresenta atestado e é afastado até que se recupere.” (Colaborou Laura Beatriz e Agência Estado)

 

 

 

Nordeste Notícia
Fonte: SVM

       
Curta nossa página!
   
Envie sua notícia, clique na imagem!