O dia da consagração. Assim pode ser descrito o tão esperado dia do jogo final do Campeonato Cearense de 2019 entre Ceará e Fortaleza. O dia no qual um campeão será coroado no ano em que estão juntos na Série A do Campeonato Brasileiro, com uma conquista gigante, como serão o vencedor e seu adversário.

Ficha técnica
Ceará X Fortaleza

PUBLICIDADE

Campeonato Cearense Série A

Estádio: Arena Castelão
Horário: 16h
Árbitro: Anderson Daronco
Auxiliares: Fábio Pereira-Master – TO / Victor Hugo Imazu Dos Santos – PR
Quarto Árbitro: Luiz César Magalhães- CE
Quinto Árbitro: Nailton Junior De Oliveira – CE
VAR: José Cláudio da Rocha Filho – SP
AVAR1: Fabrício Porfírio de Moura – SP
AVAR2: Márcio Henrique de Góis – SP
Abertura dos portões: 13h
Efetivo policial: 671 profissionais da segurança pública

Prováveis escalações:

Ceará –  Richard; Samuel Xavier, Luiz Otávio, Tiago Alves e João Lucas; Juninho, Fabinho, Chico; Fernando Sobral, Leandro Carvalho e Ricardo Bueno

Fortaleza – Felipe Alves; Tinga, Roger Carvalho, Quintero, Carlinhos; Araruna, Felipe; Dodô, Edinho e Osvaldo; Wellington Paulista

Transmissões

TV Verdes Mares (ao vivo), TV Diário (ao vivo), Rádio Verdes Mares (ao vivo), globoesporte.com/ce (ao vivo), Diário do Nordeste (tempo real)

O Castelão mais uma vez receberá, às 16 horas deste domingo, com transmissão ao vivo da TV Verdes Mares e TV Diário, duas torcidas fanáticas, fiéis, com garantia de uma bela festa nas arquibancadas. Se a grandeza dos clubes é equivalente, e suas torcidas também, em campo, um dos postulantes ao título defende uma considerável vantagem: após vencer o primeiro jogo por 2 a 0, o Leão chega para a decisão podendo até perder por um gol de diferença para sagrar-se campeão. Já o Vovô, por ter a melhor campanha na classificação geral, precisa devolver o resultado com a mesma diferença de gols, ou seja, dois de diferença.

Se não bastassem todos estes elementos para enriquecer a finalíssima, outro chegou: o uso do VAR. Ao torcedor presente no Castelão, o uso do VAR não será exibido nos telões do estádio. A sinalização em campo vai partir do árbitro principal, Anderson Daronco, do Rio Grande do Sul, que pode ou não consultar o vídeo à beira do gramado para solução de dúvidas. Importante ressaltar que a Fifa determinou quatro lances para uso da tecnologia: momento do gol; pênalti; cartão vermelho e confusão de identidade, quando o juiz sinaliza advertência para o atleta errado.

Lisca2Lisca2
Lisca optou por total privacidade no trabalho com os jogadores durante a semana. O treinador adotou o silêncio como estratégia para tentar reverter a vantagem do Tricolor do PiciFoto: Thiago Gadelha

Pela torcida

A derrota por 2 a 0 no 1º jogo foi muito sentida pelo Ceará, que acusou o golpe no início da semana. Mas um impulso da arquibancada na quinta-feira, em treino aberto em Porangabuçu, mudou o clima no Vovô, elevando a confiança ao grupo de jogadores, após a torcida alvinegra lotar o Vovozão para acompanhar o treinamento. Após o treino e nos dias seguintes o semblante dos jogadores já era de mais confiança em reverter o resultado e levantar a taça.

“Todo jogador quer uma torcida como a do Ceará ao lado e o apoio que eles nos deram foi muito importante. Estamos confiantes para o jogo e com a certeza de que revertermos o placar, com muita vontade, raça, pois um título marca a carreira do jogador”, disse o volante Fabinho.

O técnico Lisca também demonstrou confiança na virada alvinegra. “É difícil, mas palpável. Muito também pelo regulamento. Não precisamos virar a partida, mas empatar. Como eles fizeram dois gols domingo, nada impede que a gente faça dois gols de diferença no próximo, ainda mais num jogo parelho”, disse o comandante alvinegro.

Com desfalques importantes, como os meias Felipe Silva e Wescley, ambos contundidos, além do lateral-esquerdo Thiago Carleto, suspenso, o técnico Lisca poderá usar uma formação diferente da habitual, mais ofensiva, para buscar os gols necessários. Se João Lucas é a escolha óbvia para a lateral-esquerda, nos demais setores modificações podem ocorrer, com Ricardinho, João Paulo e Roger com chance de iniciarem a partida.

CeniCeni
O técnico Rogério Ceni também evitou divulgar quem promoverá ao time titular com a ausência de Júnior Santos. Mistério tem sido estratégia de Ceni desde a temporada de 2018Foto: Thiago Gadelha

Pela vantagem

Para chegar à consagração tão almejada pelos dois clubes, o Fortaleza deu um passo à frente, que foi vencer o jogo de ida, entretanto, esse feito gerou um pequeno dilema para o técnico Rogério Ceni: joga retrancado, no contra-ataque, pelo regulamento, ou mantém o padrão ofensivo da equipe? A par dessa indefinição tática, todos no Leão do Pici estão mirando a taça e sonhando com ela nas mãos em uma volta olímpica.

No Tricolor, há uma busca incessante pelo título estadual, que viria ratificar o trabalho realizado até o momento e que tem sido analisado como proveitoso: afinal de contas, o time enfrentou percalços no início do Campeonato Cearense, quando passou quatro jogos sem vitória e se classificou em cima da hora para as semifinais e depois a final. Venceu o jogo inicial e passou a ver a taça de campeão na frente, mas há um caminho difícil a percorrer, ainda, que é o “sprint” final (a corrida de velocidade na reta que mostra a chegada). Até chegar ao pódio, tem um adversário brioso e difícil, como foi ao longo da história de ambos, correndo junto com os tricolores. A exaltação virá se confirmar em campo, caso todos os detalhes do regulamento que permitam erguer o troféu sejam preenchidos pelo Leão.

Substitutos

Sem o atacante Júnior Santos, o mais provável é que o técnico Rogério Ceni escale Dodô em seu lugar, passando a contar com apenas três atacantes: Edinho, Wellington Paulista e Osvaldo. “Pode ser que o Ceará seja mais ofensivo, porque está precisando do resultado. O Lisca é um treinador inteligentíssimo, tem um bom elenco à disposição. Vamos estudar quais as possibilidades o Ceará poderá vir contra a gente”, comentou o treinador leonino.

Rogério fugiu de uma definição prévia e durante a semana que antecedeu a partida, fez quase todos os treinos fechados. “Eu ainda vou rever. O Dodô pode entrar, mas se ele entrar será na posição dele, de 10. Se for para ser um ponta, ele tem condição de fazer a função. O importante é que, se eu pedir o Dodô para ser volante, ele sabe ser volante; se eu pedir o Araruna, por exemplo, para ser lateral, ele sabe ser. O importante é que eles saibam a função que têm de fazer em campo”, tentou explicar o técnico, embora tenha deixado uma dúvida em como vai armar a equipe. Outras possibilidades para a substituição de Júnior Santos é são Marlon ou Marcinho. O Tricolor do Pici conta com atletas que estão saindo do departamento médico, como os volantes Derley, Paulo Roberto e Gabriel Dias, os quais devem aguardar uma oportunidade para entrar.

Sem soberba

Os jogadores do Leão consideram que têm uma boa vantagem para o jogo final, mas sabem que nada está definido: “O que conseguimos representa muito. A gente sabe da responsabilidade, também. Tem que respeitar a equipe adversária, que é de qualidade, tradicional”, disse o atacante Wellington Paulista.

O zagueiro Roger Carvalho tem idêntica opinião: “São 90 minutos, onde tudo pode acontecer. Da mesma maneira que nós jogamos a primeira partida com seriedade, porque a vantagem era deles. Vai ser com a mesma intensidade que iremos disputar essa segunda partida, agora com a vantagem para nós. Essa vantagem, quando o árbitro apita, para a gente não existe. Ela será guardada no bolso e talvez no final da partida, se estiver a nosso favor a gente use ela”, disse o zagueiro Roger Carvalho.

Nordeste Notícia
Fonte: Diário do Nordeste

Comente com Facebook