Nem sempre há justiça no futebol, mas o Atlético Nacional provou que ela existe em certos momentos. Num roteiro escrito a partir de uma fase de grupos quase perfeita, os colombianos entraram para a história no Atanasio Girardot, em Medellín, lotado. Com gol do iluminado Miguel Borja, algoz do São Paulo na semifinal, a equipe do treinador Ricardo Rueda espantou o qualificado Independiente del Valle e carimbou o passaporte para o Mundial de Clubes. A América dorme verde e branca, cores do envolvente futebol do Atlético Nacional. 

Primeiro tempo

Incorporado ao grupo na semifinal, Miguel Borja precisou de quatro jogos para se tornar ídolo de uma torcida apaixonada. E o ato final veio no primeiro tempo da decisão, na Colômbia. Logo aos 17 segundos de bola rolando, o atacante recebeu de Guerra, ganhou de Mina, mas mandou pelo alto a chance de colocar o Atlético Nacional em vantagem. Não faria falta. Aos oito minutos, o artilheiro aproveitou sobra na grande área e fuzilou para explodir o estádio.

Segundo tempo

O Del Valle respondeu no primeiro lance da etapa complementar. Uchuari, vindo do banco, foi derrubado na área, mas o contato foi ignorado pelo árbitro Néstor Pitana. Após o susto, o Nacional fez questão de não mais ser incomodado pelos equatorianos. Deu aula de como trocar passes e ficar com a posse de bola. Por pouco não ampliou – Marlos Moreno e Borja perderam boas ocasiões. Os quatro minutos de acréscimos, que poderiam significar quatro minutos de pressão dos visitantes, foram controlados pelos colombianos, novos donos da América.

ESTRELA DO ARTILHEIRO

Antes do dia 6 de julho, Miguel Borja era apenas mais um atacante do futebol da Colômbia. Até então, defendia o modesto Cortuluá. Chegou a ser oferecido a clubes brasileiros – entre eles, o São Paulo -, mas acertou com o Atlético Nacional. Quis o destino que virasse algoz justamente do Tricolor paulista – marcou os quatro dos colombianos na semifinal. Na final, fez brilhar novamente a estrela com o gol decisivo. Resumo do mês de julho: quatro jogos, cinco gols, idolatria e um dos destaques do título.

RECORDE COLOMBIANO

Logo nos primeiros jogos da Libertadores, o Atlético Nacional se credenciou como um dos favoritos ao título. A melhor campanha da fase de grupos foi prova disso – cinco vitórias e uma derrota. No mata-mata, cinco vitórias, dois empates e uma derrota – a única no torneio, para o Rosário Central, na Argentina. Os 33 pontos somados fazem da trajetória um recorde na Libertadores, superando o Boca Juniors, campeão em 2003, que somou 32.

QUE VENHA O REAL MADRID

Além da festa pelo segundo título da Libertadores na história, o Atlético Nacional carimba o passaporte para o Japão. No Mundial de Clubes o desafio pode ser mais complicado. Os campeões, caso cheguem à decisão, podem encarar o Real Madrid, classificado após conquista da Liga dos Campeões.

Além das duas equipes, o América do México, vencedor da Liga dos Campeões da Concacaf, e Auckland City, campeão da Liga da Oceania, também estão garantidos.

Fonte: globoesporte.com

Comentários
   
Clique para entrar em contato.
 
Ajude-nos a crescer ainda mais curtindo nossa página!
   
Clique na imagem para enviar sua notícia!