Operação apura crimes contra a administração pública na cidade de Altaneira, no interior do Ceará. — Foto: Arquivo pessoal

A Justiça Estadual do Ceará negou um pedido de liberdade feito pelo ex-secretário de Saúde de Altaneira. A decisão da Vara de Delitos de Organizações Criminosas foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico da última quarta-feira (13).

Luan Kaio Feitosa Duarte foi um dos presos por suspeita de integrar uma organização criminosa que fraudou licitações e desviou dinheiro público no município, alvo da Operação Salus, da Polícia Civil , realizada em 10 de dezembro de 2020. A defesa do acusado não foi localizada.

PUBLICIDADE

O juiz afirma, na decisão, que a organização criminosa cometeu os “crimes de peculato, lavagem de dinheiro, fraude a licitações, entre outros”. “Assim, a gravidade em concreto do crime imputado indica que a liberdade do acusado coloca em risco a ordem pública, pelo que necessita ser retirado do convívio social”, conclui.

O pedido de liberdade se baseou também no risco do ex-secretário contrair Covid-19, motivo pelo qual o juiz define que “o requerente não demonstrou a presença de qualquer fator que provocasse a revogação da custódia preventiva, uma vez que inexiste informações acerca do seu estado de saúde, notadamente sobre alguma espécie de infecção ou exposição a pessoas infectadas, tampouco se integra grupo de risco, ou, ainda, se há pessoas infectadas pelo coronavírus no mesmo presídio”.

Na Operação, a Polícia Civil cumpriu 113 mandados nos municípios de Altaneira, Nova Olinda, Antonina do Norte, Aurora, Crato, Barbalha, Juazeiro do Norte e Beberibe. Dentre as ordens judiciais, 51 foram de busca e apreensão, 13 de prisão preventiva, 14 de afastamento e 35 de sequestro de bens. Entre os alvos, secretários municipais e empresários.

 

 

Nordeste Notícia
Fonte: SVM

Comente com Facebook

Clique na imagem!