As duas vítimas foram torturadas antes de serem mortas pelos integrantes de uma facção criminosa — Foto: Arquivo pessoal

A Polícia Civil indiciou pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver nove homens suspeitos de torturar e matar o casal Sheldon Luiz de Castro Ângelo e Leidiane de Sousa Vieira. O casal desapareceu no dia 11 de setembro deste ano e os corpos foram achados enterrados no Distrito de Jacundá, em Aquiraz, na Grande Fortaleza, no dia 30 de outubro.

O exame feito pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce) com amostras de DNA dos filhos do casal confirmou que os corpos são realmente de Sheldon e Leidiane. O relatório final foi enviado à Justiça no dia 16 deste mês. No documento, o delegado Everardo Lima da Silva conclui que a motivação para o duplo homicídio foi a perda de um carregamento de drogas que pertencia ao grupo criminoso da qual Sheldon e a mulher faziam parte.

PUBLICIDADE

Conforme o entendimento do delegado Everardo Lima, os mandantes do crime foram Jangledson de Oliveira, o ‘Nem da Gerusa’, e Valdeirton da Silva Costa. ‘Nem’ ordenou a execução do casal por meio de uma ligação de vídeo, de acordo com a conclusão das investigações. Ele e Valdeirton seriam chefes de uma célula da facção criminosa. ‘Nem’, inclusive, consta na lista da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) como um dos homens mais procurados do Estado.

O casal foi ‘julgado’ em um ‘tribunal do crime’ e submetido a uma sessão de tortura. Conforme as investigações, Sheldon e Leidiane tiveram os dedos decepados antes de serem executados e enterrados.

A Polícia Civil também indiciou Davi Alves do Nascimento, Leonardo Mariano dos Santos, o ‘Branquinho’, José Mateus Rosendo da Silva, o ‘Barrão’, Francisco de Assis Ferreira, o ‘Neném’, João Carlos da Silva, João Batista Silva e Antônio Alberto Gonçalves de Sousa. Cinco dos nove suspeitos foram presos no início deste mês. O G1 não conseguiu contato com a defesa dos indiciados.

Outro crime

Segundo a polícia, as mortes de Sheldon e Leidiane estão ligadas a outro crime. Um motorista de aplicativo também foi ‘julgado’, mas terminou ‘absolvido’ pelo grupo criminoso. Ele contou detalhes do caso à Polícia e acabou assassinado, dias depois.

Nordeste Notícia
Fonte: SVM

Comente com Facebook