Bastava uma vitória simples para o Ceará deixar a zona de rebaixamento, e ela chegou bem perto de ser conquistada, mas não veio. Apesar de ter sido superior em todo o jogo, inclusive com pênalti perdido, gol anulado e ótimas defesas do goleiro adversário, o Vovô não saiu do empate em 0 a 0 com o Botafogo, no Castelão, e permanece no Z-4 do Campeonato Brasileiro.
Com o resultado, o Alvinegro cearense chegou aos 31 pontos e até ganhou uma posição na classificação, passando a Chapecoense, mas agora ocupa a 17ª colocação, um ponto atrás do Vitória, primeiro time fora da zona da degola.
Vale lembrar que o Ceará tem um jogo a menos que os adversários, já que a partida contra o Cruzeiro foi adiada para o dia 24 de outubro.
Os comandados de Lisca voltam a campo no próximo domingo, 21, para enfrentar o líder Palmeiras, às 16 horas, no Pacaembu.
O JOGO
O Ceará foi absolutamente dominante no primeiro tempo, com mais posse de bola (52% x 48%), finalizações (9 x 1) e oportunidades claras de gol. O Alvinegro cearense só não construiu vantagem na etapa inicial porque Arthur desperdiçou pênalti.
A superioridade do Vovô foi fruto de um time que mostrou que soube aproveitar os 15 dias de descanso sem perder a organização e intensidade que tinha. O Ceará entrou em campo marcando o Botafogo no campo de ataque e dificultando a saída de bola do time carioca, que no 1º tempo não deu nenhuma finalização sequer no gol de Everson.
O Fogão só não saiu perdendo no intervalo porque Arthur cobrou pra fora o pênalti sofrido por Juninho Quixadá, aos 30 minutos, naquela que foi a melhor oportunidade do Vovô em todo o jogo.
O Botafogo voltou do intervalo adiantando as linhas de marcação e com mais presença no campo ofensivo para tentar encaixar os ataques em velocidade. Logo na primeira chegada, Pimpão cruzou e a bola passou por Kieza, obrigando Everson a fazer grande defesa, a sua primeira no jogo.
Mesmo assim, as melhores chances de gol no 2º tempo foram do Ceará, que inclusive chegou a balançar as redes. Aos 21 minutos, Calyson cruzou na medida para Juninho Quixadá, de cabeça, mandar a bola pro fundo das redes, mas o meia estava impedido e a arbitragem anulou corretamente o gol.
O restante do jogo foi de pressão do Ceará, que tentava o gol a todo custo, mas esbarrou no goleiro Saulo. O camisa 1 fez três grandes defesas e evitou a vitória do Alvinegro cearense, que foi dono do jogo, mas não converteu o domínio em gols.
Nordeste Notícia
Fonte: O Povo/André Almeida

Comente com Facebook