No primeiro debate com a presença do governador Camilo Santana (PT), realizado ontem pelo Grupo de Comunicação O POVO, o petista virou alvo prioritário dos seus adversários.

Candidato à reeleição e líder das pesquisas de intenção de voto, Camilo foi atacado sobretudo na área da segurança pública. Logo na primeira rodada, ele passou por bateria de perguntas que trataram do tema.

 

General Theophilo, do PSDB, questionou o postulante sobre o número de “15 mil pessoas” assassinadas durante o seu governo, além das oito chacinas praticadas apenas neste ano.

 

Em resposta, o governador disse que tem “arregaçado as mangas” para reduzir esses índices e que, à frente do Estado, o “Ceará avançou em todas as áreas” da administração.

 

O chefe do Executivo também desafiou “um governador que tenha investido mais em segurança pública do que eu”. E acrescentou: “Estamos construindo os caminhos de segurança pública com planejamento e organização”.

 

Nome do Psol na disputa pelo Abolição, Ailton Lopes perguntou a Camilo quantas “vidas precisam ser ceifadas pra vocês deixarem de considerar um caso isolado?”. O candidato se referia à chacina das Cajazeiras, que deixou 14 mortos no início do ano, em Fortaleza.

 

À época, o titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, André Costa, sugeriu que as execuções haviam sido “um caso isolado”.

 

A Ailton, porém, Camilo retrucou: “Você nunca ouviu falar da minha parte que foi um caso isolado. Esse problema de segurança é do País inteiro”.

 

O petista então criticou o Governo Federal ao dizer que, no curso de quatro anos de gestão, não havia recebido recursos suficientes do Planalto para empregar na segurança.

 

O tema dominaria todo o primeiro bloco de perguntas, que se completou com questionamento do candidato do PSL, Hélio Góis.

 

Advogado e professor, Góis quis saber de Camilo se ele recebia “ordens de  dentro do presídio”. O postulante aludia ao domínio de facções criminosas nas penitenciárias do Ceará. Camilo negou: “Não recebo ordem de ninguém”.

 

Confrontado, o candidato à reeleição utilizou como escudo o desempenho do Estado nas áreas fiscal, emprego e educação. Este último tópico, no entanto, prevaleceu entre os trunfos que o governador sacou para rebater seus oponentes.

 

Ele voltou a citar, por exemplo, que “82 escolas públicas do Ceará estão entre as 100 melhores do Brasil”. E prometeu incrementar o número de unidades de tempo integral, outra proposta que figura na ponta da língua.

 

Sobre a criação de emprego, Ailton contraditou afirmação do governador: “É impressionante como ele (Camilo) fala de 30 mil empregos, mas isso sequer chega aos 4% do meio milhão de desempregados no Ceará”.

 

O psolista ainda tentou nacionalizar o debate ao criticar as alianças do petista o governador tem feito campanha para a reeleição do senador Eunício Oliveira, do MDB, que apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Localmente, parte das siglas que integram o centrão também apoia Camilo.

 

Principal apoiador do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) no Ceará, Góis deslocou a discussão para temas ligados aos costumes e à polarização ideológica entre esquerda e direita.

 

Ao endereçar pergunta a General Theophilo na primeira metade do debate, disse que o senador tucano Tasso Jereissati, que também é empresário, era de esquerda.

 

Gois defendeu ainda a reativação dos manicômios como política de saúde mental. Na sequência, foi criticado incisivamente por Ailton.

Como estratégia no confronto, o governador evitou revidar ataques diretos dos concorrentes, adotando postura mais esquiva.

 

General Theophilo assumiu a segurança desde o início como bandeira preferencial, que explorou no curso da uma hora e meia do encontro, conduzido pela jornalista do O POVO Maísa Vasconcelos.

 

Ailton foi conciso na apresentação de propostas e duro em suas críticas, que se concentraram em Camilo e no General.

 

A menos de dez dias da votação, o debate do O POVO demarca a reta final na campanha. De acordo com pesquisa Ibope desta semana, Camilo encabeça a preferência do eleitorado cearense, com 69%.

 

General vem atrás, com 7%. Hélio Góis tem 2%. Ailton e Francisco Gonzaga (PSTU) estão empatados com 1%.

 

BASTIDORES DO DEBATE

 

VICES

 

Todos os candidatos convidados para o debate vieram acompanhados dos vice-candidatos, exceto Hélio Góis (PSL). A professora Ninon Elizabet Tauchmann (PSL) não foi à sede do O POVO. Estiveram presentes Izolda Cela (PDT), vice-governadora do Ceará, Emilia Pessoa (PSDB) e Carina Costa (Psol).

 

POUCA CONVERSA

 

Aos intervalos do debate, que teve cinco blocos, os candidatos evitaram conversas. Em vez disso, ocuparam tempo ouvindo conselhos dos assessores sobre qual direção retórica tomar. Theophilo, por exemplo, foi aconselhado por um profissional de marketing que o assessora. Já Ailton recebeu conselhos via WhatsApp de uma equipe de profissionais de várias áreas.

 

TEMPO FECHOU

 

Foi no intervalo do último bloco que surgiu uma das raras senão única interações entre candidatos. Camilo e Ailton divergiram quando o tema foi déficit na Uece e realização de concursos. Na pausa da programação, foi possível escutar do socialista um “não dirija a palavra a mim” com direção a Camilo. Ouvido, o petista minimizou a questão. Já Ailton o classificou como mentiroso. Enviou o mesmo adjetivo a Theophilo.

Nordeste Notícia
Fonte: O Povo/Henrique Araújo

Comente com Facebook