Na luta para fugir do Z-4, Ceará e Chapecoense medem forças na Arena Castelão, no domingo (30), às 19 horas

Image-0-Artigo-2458856-1
Juninho Quixadá é um dos destaques da equipe alvinegra nesta Série A do Campeonato Brasileiro e estará em campo contra a Chapecoense, neste domingo (30), na Arena Castelão ( FOTO: JL ROSA )

O Ceará recebe a Chapecoense em partida que tem caráter decisivo na parte de baixo da tabela. Um jogo que vale e muito para as pretensões do Alvinegro de Porangabuçu na Série A do Campeonato Brasileiro. Neste domingo (30), às 19 horas, o Ceará recebe a Chapecoense na Arena Castelão, em duelo de duas equipes que concorrem diretamente pela permanência na elite do futebol brasileiro.

Na 18ª colocação com 27 pontos, a equipe do técnico Lisca tem um desfalque em relação ao time que entrou em campo na rodada anterior, diante do Grêmio. O zagueiro Valdo entra na vaga de Tiago Alves, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e forma dupla com Luiz Otávio.

Dupla aguerrida

Com um bom trabalho no setor defensivo de sua equipe, Lisca se diz muito satisfeito com outra dupla. Para o treinador, Richardson e Edinho se completam no meio-campo. “O grande desafio de um treinador é encaixar as peças e eles têm características que combinam”, confessou. “O Edinho agregou muito ao grupo com a experiência dentro e fora de campo. Ele foi campeão da América e do Mundial de Clubes (pelo Internacional). A história dele no futebol é muito rica. Talvez o Edinho seja o jogador que tenha o maior currículo da história do Ceará”, disse Lisca, enaltecendo o camisa 5 alvinegro.

Sobre Richardson, o treinador também é só elogios. No clube desde 2016, o volante tem o carinho da torcida do clube e é visto como o “novo Michel”, inclusive pelo ex-jogador do Ceará, que hoje atua pelo Iguatu.

“O Richardson é um cara muito trabalhador, tem cuidado bastante da parte física tanto dentro quanto fora do clube. Ele está fazendo um grande campeonato”.

Adversário conhecido

Estudioso e com conhecimento sobre o time catarinense, o treinador do Vovô prega respeito ao grupo que é comandado por Guto Ferreira. “Tem que respeitar o adversário. A Chapecoense é um time muito qualificado”.

No ramo do futebol já há um bom tempo, Lisca e Guto trabalharam juntos nas equipes juvenis do São Paulo e Internacional/RS. Em 2002, os dois conquistaram o título de campeão gaúcho pela equipe colorada.

“O Guto é um ótimo treinador que, além de ser muito experiente, é meu amigo pessoal. Eu aprendi muito com o Guto”, revelou Lisca.

Já na capital cearense, o treinador da equipe alviverde faz projeção para o jogo de domingo. Desde o início de agosto, quando Guto Ferreira chegou ao comando do clube, a Chapecoense teve sua defesa vazada em todos os jogos e não venceu nenhuma partida longe de seus domínios. “Nós temos que melhorar fora de casa. Precisamos que o bom desempenho resulte no resultado”, comentou o técnico.

Perguntado sobre o treinador do adversário, Guto se desmanchou em elogios. “O Lisca é um grande profissional que já passou por muitas equipes com resultados expressivos. Ele trabalha muito bem”, disse. “É um cara extremamente motivador, que tem um trabalho muito qualificado e as equipes dele, quando se encaixam, são bastante agressivas. Então a gente tem que buscar fazer um grande jogo e minimizar tudo isso para que a Chape possa sair de lá com um grande resultado”, concluiu.

Sem Douglas, expulso contra o Fluminense na última rodada, Nery Bareiro deve jogar ao lado do zagueiro Rafael Thyere, que volta de suspensão.

O Ceará recebe a Chapecoense no domingo (30), às 19h, na Arena Castelão, pela 27ª rodada da Série A do Brasileirão. O vencedor do duelo pode terminar a rodada na 14ª posição. (Rafaela Brasileiro)

info

Nordeste Notícia
Fonte: Diário do Nordeste