Jose Maria Marin chega ao Tribunal do Brooklyn para a sessão de considerações finais do seu julgamento (Foto: AP Photo/Seth Wenig)

José Maria Marin pode receber uma sentença de, no mínimo, 10 anos de prisão. Em documento obtido pelo GloboEsporte.com, o Ministério Público dos Estados Unidos, através do procurador Richard Donoghue, solicitou esta pena para o ex-presidente da CBF, condenado por corrupção, em 2017. Porém, o martelo será batido somente no dia 22 de agosto, em sessão que será decicida pela juíza Pamela Chan, que está à frente do caso.

Relembre o caso:

No comando da CBF de 2012 a 2015, Marin foi condenado, pela justiça americana, em seis crimes de propina que movimentaram cerca de US$ 6,5 milhões (três de fraude financeira, envolvendo Copa América, Copa Libertadores, Copa do Brasil, dois de lavagem de dinheiro, envolvendo a Copa América e Libertadores e um por conspirar/formar uma organização criminosa). Segundo o jornal “Estado de São Paulo”, o ex-dirigente corria o risco de receber, de acordo com leis dos EUA, uma punição de 24 anos. No entanto, como tem 86 anos, a pena pedida pela procuradoria caiu para, no mínimo, 10.

Os advogados do brasileiro acreditam que podem conseguir a soltura imediata do cartola, que já está em prisão domiciliar, em Nova York. A esperança esta justamente pela idade de Marin. Com uma sentença de 10 anos, o réu não teria mais condições de ter sua liberdade.

No texto do procurador, a intenção é que Marin reponha todo o dinheiro que desviou. A Fifa, Conmebol e Concacaf querem recuperar aproximadamente US$ 120 milhões. A entidade máxima do futebol quer recuperar cerca de US$ 28 milhões, enquanto a sul-americana, afirma quer sido desfalcada em US$ 94 milhões. A CBF, que também foi lesada, já disse que não quer se ressarcida.

Cerca de US$ 300 milhões já foram pegos pela Justiça Americana, além de US$ 100 milhões, que os americanos congelaram, após receber daqueles que estavam envolvidos por multas.

Documento do caso de Marin com a Justiça dos Estados Unidos (Foto: Reprodução)
Documento do caso de Marin com a Justiça dos Estados Unidos

Fonte: Espn.com

Comente com Facebook