Galpão dos Correios, em Fortaleza, é tomado por fogo nesta terça-feira (13). (Foto: Wanyffer Monteiro/TVM)

Os Correios no Ceará se comprometeram a elaborar, em um prazo de uma semana, um plano emergencial para dar encaminhamento imediato e eficaz a todas as reclamações que chegarem à instituição sobre entregas de mercadorias nacionais e internacionais que estão em situação de atraso.

O compromisso foi firmado em reunião realizada nesta quinta-feira (26), no Ministério Público Federal (MPF) no Ceará.

principal centro de triagem dos correios ficou 90% destruído após um incêndio em 13 de fevereiro dde 2018. O incêndio comprometeu a agilidade nas entregas dos Correios em todo o estado, segundo o superintendente da empresa no Ceará Érico Jovino.

Correios se comprometem a elaborar plano de entrega emergencial

Correios se comprometem a elaborar plano de entrega emergencial

O monitoramento do serviço de supervisão das entregas será acompanhado pelo MPF, por meio do procurador da República Oscar Costa Filho, responsável por procedimento administrativo que apura denúncias de atrasos nos serviços de envio de mercadorias e correspondências pelos Correios.

Para o procurador, até que os Correios consigam restabelecer o serviço com o novo espaço para o centro de distribuição, é fundamental que a empresa disponibilize canais de informações com respostas rápidas e eficazes sobre as situações das entregas. “É um serviço essencial à população que não pode continuar nessa situação”, avalia o procurador.

Expectativa

Durante a reunião, Jovino afirmou que a expectativa dos Correios é de que as entregas de mercadorias internacionais que chegaram até a 1ª quinzena de abril sejam regularizadas dentro do prazo de 20 dias úteis.

Já as encomendas e correspondências de origem nacional deverão ser avaliadas individualmente, por meio dos códigos de rastreamento. “Vamos avaliar cada caso, mas só podemos garantir que o serviço voltará à plenitude quando tivermos um novo espaço definitivo para o centro de triagem”, explicou.

Galpão do centro de triagem ficou destruído após incêndio (Foto: Arquivo pessoal)

Galpão do centro de triagem ficou destruído após incêndio (Foto: Arquivo pessoal)