(Foto: Matheus Facundo/Especial para O POVO)

Sete pessoas foram mortas na quarta chacina registrada neste ano no Ceará, confirmou a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Na noite de sexta-feira, 9, no bairro Benfica, em Fortaleza, um grupo armado usou dois veículos para promover o massacre na Praça da Gentilândia, na sede da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF) e na rua Joaquim Magalhães.

Conforme as informações preliminares da Pasta, a matança começou na Praça. Por volta de 23h30min, suspeitos em um carro modelo Honda Civic pararam e dispararam contra a multidão. O local e bares do entorno estavam lotados, muitos eram estudantes que vinham de festa realiada na Concha Acústica da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Segundo testemunhas que estavam na região, os disparos começaram por volta de 23h30min. Um grupo armado chegou de carro e começou a atirar contra pessoas que estavam na Praça da Gentilândia. Morreram José Gilmar Furtado de Oliveira Júnior, 33, Antônio Igor Moreira e Silva, 26, e Joaquim Vieira de Lucena Neto, 21. Os dois primeiros tinham antecedentes criminais.

Simultaneamente, na Vila Demétrio, nas proximidades da sede de uma torcida organizada, suspeitos em outro veículo atiraram em um grupo de jovens que bebia no local. Lá, morreu Carlos Victor Meneses Barros, 23.

Leia também: Feridos da chacina estão em atendimento no IJF

Na fuga, na Rua Joaquim Magalhães, os criminosos atiraram contra duas pessoas que usavam uniforme da TUF e seguiam para a sede da entidade. Dos alvos, Pedro Braga Barroso Neto, 22, faleceu no local. Ele também tinha antecedentes criminais.

Feridos

Quatro pessoas baleadas nas ocorrências foram levadas ao Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza. Duas não resistiram aos ferimentos e morreram na unidade hospitalar, são eles: Emilson Bandeira de Melo Júnior, 27, e Adenilton da Silva Ferreira, 24.

Em nota, a SSPDS informou que as polícias Civil e Militar estão em diligências à procura de suspeitos de promoverem o massacre. “A Polícia Civil apura as circunstâncias de cada caso e se há relação entre eles no sentido de identificar e prender os autores das mortes”, informou a nota.

Chacinas

Esta é a maior sequência de chacinas registradas no País. Em três meses, já foram quatro no Ceará. A primeira, em 7 de janeiro, ocorreu em Maranguape, com quatro pessoas mortas. A segunda, com o maior número de vítimas, ocorreu no bairro Cajazeiras, com 14 mortos na madrugada de 27 de janeiro. Na até então última, dez detentos foram assassinados por outros internos da Cadeia Pública de Itapajé.

Nordeste Notícia
Fonte: OPovo/Igor Cavalcante

Comente com Facebook