Durante fiscalização, promotores do Ministério Público do Rio de Janeiro descobriram quatro quartos que seriam aproveitados para visitas íntimas de presos de forma ilícita. O caso se deu na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, Zona Norte do Rio de Janeiro. A informação é do G1.

A unidade já comportou presos da Operação Lava Jato no Rio, a exemplo do ex-governador Sérgio Cabral. O MP-RJ, inclusive, recebeu informações de que mulheres estariam recendo dinheiro para fazer sexo com presos da Lava Jato.

Espelhos, luzes vermelhas, televisões, banheiros com espelhos, piso de porcelanato e até uma parede pintada com um coração foram vistos nos quartos. O Ministério Público disse que abrirá investigação para apurar se a denúncia é ou não verdadeira e quem são os responsáveis pelos quartos.

O secretário de Administração Penitenciária, David Anthony, diz que a cadeia Pública José Frederico Marques foi posta sob intervenção da corregedoria depois de denúncias do MP sobre o possível abuso. Ele diz que os parlatórios são utilizados regularmente por 27 presos que têm autorização judicial para receber visitas íntimas.

Uma das paredes era decorada

Entretanto, o secretário fala sobre a suspeita de que réus da Lava Jato estivessem usando os locais sem autorização. Imagens de câmeras estão sendo analisadas para apurar se mulheres não cadastradas entraram ou não na cadeia de Benfica.

 

 

 

Fonte: Opovo.com