Claudinei Ligieri/Futura Press

Embora já tenha negado que vá disputar a Presidência da República neste ano, o apresentador Luciano Huck virou alvo de um processo do PT na Justiça eleitoral. O partido argumenta que Huck cometeu e se beneficiou de poder econômico e dos meios de comunicação durante sua participação no “Domingão do Faustão” no último domingo (7).

A TV Globo e o apresentador Fausto Silva também são alvos da representação assinada pelos líderes do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS) e no Senado Lindbergh Farias (RJ). Eles pedem a inelegibilidade de Huck ou a cassação de um eventual registro de candidatura, além de pagamento de multa por parte dos apresentadores e da Globo, segundo o UOL.

Para os petistas, durante a entrevista do apresentador ocorreu uma “demonização da atual política, dos políticos, dos pré-candidatos ao cargo presidencial, e de forma subliminar, a exaltação da pré-candidatura de Luciano Huck, como sendo algo de novo capaz de mudar a realidade vigente e trazer a ‘felicidade’ esperada pelo sofrido povo brasileiro”.

Em nota, a TV Globo disse que “cumpre rigorosamente a legislação eleitoral e tem uma política interna sobre eleições ainda mais rigorosa do que a lei”. A emissora disse ainda que não apoia qualquer candidato e que se limitará a fazer a cobertura jornalística das eleições. Huck e Faustão não retornaram aos contatos feitos pelo UOL.

Durante sua participação no programa, Huck voltou a negar sua candidatura neste ano. “Minha missão esse ano é tentar motivar as pessoas a que votem com muita consciência e que a gente traga os amigos que estão a fim para ocupar a política, senão não vai ter solução. Eu nunca, jamais, vou ser o salvador da Pátria, e o que vai acontecer na minha vida também não sei”, esclareceu o apresentador.